SP fecha parceria com Ministério da Saúde para modernizar fábricas do Butantan

O Instituto Butantan, um dos maiores centros de pesquisa biomédica do mundo, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, assinou, em 8 de fevereiro, convênio com o Ministério da Saúde para mais uma etapa da modernização de sua infraestrutura produtiva. 

O acordo prevê nesta primeira fase a liberação de R$ 54 milhões para a aquisição de equipamentos a serem instalados nas fábricas de produção das vacinas de difteria, tétano, coqueluche e hepatite B. Após a conclusão dos trabalhos, que incluem a modernização das estruturas físicas (fluxos de material, pessoas e produtos, vestiários e sanitários) e do sistema de utilidades (água, ar-condicionado, ar-comprimido e vapor puro) das fábricas, será retomado o fornecimento das vacinas nas seguintes apresentações: dT (difteria e tétano adulto), DT (difteria e tétano infantil), DTP (difteria, tétano e pertussis) e hepatite B.

O aspecto mais relevante deste projeto é que o Butantan estará capacitado a produzir a vacina pertussis (para coqueluche) de baixa toxicidade (pertussis low) para testes clínicos, uma inovação mundial, que terá a capacidade produtiva da pertussis celular e ausência de reações adversas da vacina pertussis acelular.

O Brasil utiliza a vacina pertussis acelular para crianças e celular para adultos. A Europa e os Estados Unidos utilizam a vacina acelular, que tem se mostrado ineficaz no longo prazo. A pertussis low pode ser utilizada em crianças e adultos, e é aguardada mundialmente tendo em vista o ressurgimento de casos de coqueluche nos Estados Unidos e na Europa frente às recentes ondas migratórias registradas no mundo.

A retomada da produção destas vacinas também significa a retomada do projeto de produção de uma vacina nacional pentavalente, em estreita colaboração com a Fiocruz, incluindo os componentes difteria, tétano, pertussis(coqueluche) e hepatite B, de responsabilidade do Instituto Butantan, e Hib (Haemophilus influenzae tipo B), de responsabilidade da Fiocruz.

As fábricas tiveram sua produção temporariamente interrompida para as necessárias ações de modernização e readequação às atuais exigências de Boas Práticas de Fabricação preconizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e também às normas internacionais. A fábrica estará pronta para funcionar após um período de qualificação e validação que será determinado no transcorrer do processo.

“É um investimento importante, que permitirá ao Butantan modernizar o seu parque tecnológico e garantir a produção de vacinas fundamentais para o calendário de imunização da rede pública de saúde”, afirma David Uip, secretário de Estado da Saúde de São Paulo.

Fonte: Assessoria de Imprensa - Instituto Butantan e Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.