BPC/ML divulga recomendações sobre métodos para diagnóstico da febre amarela

O Brasil enfrenta o maior surto de febre amarela desde os registros mais antigos do Ministério da Saúde, de 1980, e tem causado uma corrida aos postos de vacinação nas regiões mais afetadas pela doença. Na última segunda-feira (21), o Ministério da Saúde divulgou um relatório que confirma 144 mortes e 448 casos de febre amarela no País. Diante do quadro, a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) informa a população sobre as diferenças entre os exames laboratoriais utilizados para detecção da doença e a alerta para as recomendações de vacinação.

Dr. Celso Granato, médico patologista clínico e membro da SBPC/ML, explica que o aumento que se observa na proliferação da doença está ligado tanto ao ciclo periódico de 8 a 9 anos a que a doença obedece (o último surto ocorreu no verão de 2007/2008) como à época do ano – de dezembro a maio, o risco de transmissão aumenta tanto pela quantidade de chuvas como por viagens.

Sobre a doença

A febre amarela (FA) é uma doença infecciosa aguda, febril, causada pelo vírus de mesmo nome. É uma doença potencialmente grave e que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), provoca cerca de 200 mil casos no mundo a cada ano, majoritariamente no continente africano. Ela se apresenta em dois tipos: a silvestre e a urbana. “Do ponto de vista clínico, os dois são exatamente iguais. A diferença está ligada ao local em que o paciente foi infectado e ao mosquito transmissor – na febre amarela urbana, o transmissor é o Aedes aegypti, enquanto na silvestre são os mosquitos Haemagogus e Sabethes”, explica Granato.

A morte de macacos com febre amarela representa um fator que tem alarmado os brasileiros. Sobre o tema, Granato afirma que os animais são os hospedeiros naturais da febre amarela silvestre e funcionam como sentinelas da doença para nós, humanos, e que matá-los pode contribuir para que a doença chegue até nós de forma inesperada. “Se macacos estão morrendo em função da febre amarela, esse é um sinal de alerta e todo o esforço da Saúde Pública deve se voltar a restringir a disseminação da doença”, esclarece.

Métodos de diagnóstico

A febre amarela consiste em uma doença de difícil diagnóstico, principalmente em fases iniciais, porque seus sintomas podem ser confundidos com os de várias outras enfermidades, como dengue, malária grave, hepatites virais (principalmente os tipos B e D) e outras febres hemorrágicas, como o Zika. Portanto, além da avaliação clínica do paciente, alguns exames laboratoriais também são essenciais para confirmação do diagnóstico.

Para detecção do vírus da febre amarela, faz-se o isolamento viral, exame realizado a partir de amostras de sangue coletadas nos primeiros cinco dias após o aparecimento da febre. Nesses casos, o vírus é identificado pelo teste de imunofluorescência direta, que determina a presença de antígenos virais na amostra. Pode-se também realizar a Reação em Cadeia de Polimerase (PCR).


Exames de sorologia também são indicados para complemento do diagnóstico, por meio da técnica MAC-Elisa. Esse tipo de exame se baseia na detecção de anticorpos IgM específicos do vírus causador da febre amarela. O isolamento viral e o PCR são positivos desde o momento em que surgem os sintomas até o quinto dia. A sorologia, por sua vez, só passa a ser positiva depois do quarto dia da doença. Nesses casos, devem ser feitas duas coletas, uma no primeiro atendimento médico e outra após 14 dias. Esse tempo de comparação é necessário porque a primeira coleta pode não ser reativa já que pode ter sido feita muito precocemente.

Em casos fatais da doença, utiliza-se a técnica chamada imuno-histoquímica, que indica a presença de antígenos em tecidos de diferentes partes do organismo.






No Brasil, os exames para diagnóstico de febre amarela devem ser feitos, obrigatoriamente, por um laboratório especializado nesta doença. Tais laboratórios são o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, e o Instituto Evandro Chagas, em Belém. Laboratórios privados não podem realizar exames para febre amarela. Granato justifica que, “por ser uma doença bastante incomum e que requer medidas rápidas de intervenção dos órgãos de Saúde Pública, em um momento como este parece mais adequado restringir a identificação dos pacientes a laboratórios especializados”.

Sintomas e áreas de risco


Os sintomas da febre amarela variam muito. Para Granato, “existem pessoas que apresentam apenas um quadro febril, que dura de 4 a 5 dias e nada mais, e outras que têm febre por um período mais prolongado, acompanhado de icterícia (amarelamento da pele), sangramento gengival, nasal e até digestivo. Neste último caso, a gravidade da doença é elevada. Quando a doença evolui para um estágio mais avançado, o paciente pode apresentar também inflamação do fígado e rins, olhos avermelhados, sangramento na pele e urina escurecida”.


Granato ressalta que,“no Brasil, a região em que as pessoas que têm maior chance de se contaminar é a região amazônica, mas em períodos em que a doença se torna mais frequente, em praticamente qualquer lugar do País pode surgir a infecção, exceto em grandes cidades, onde não há incidências desde 1942”. Em Minas Gerais, onde surgiram os primeiros casos, 73% dos moradores já se encontram imunizados pela vacina. Junto com o Espírito Santo, os dois estados concentram 93% dos casos suspeitos. Todos os casos registrados no Brasil até então são silvestres, transmitidos por mosquitos em áreas rurais.


Imunização

A vacina representa a medida mais eficaz para controlar a doença, mas Granato reforça que, “neste momento, não há indicação de vacinação indiscriminada para toda a população, pois pode ocasionar efeitos colaterais e, por essa razão, só deve ser administrada a pessoas que corram alto risco de contração da doença”.

A recomendação atual do Ministério da Saúde é de que apenas as pessoas que vão se dirigir a uma zona endêmica ou que moram em uma região endêmica tomem a vacina. “Quem mora, por exemplo, em São Paulo, e não vai sair daqui, não tem indicação de vacinação”, explica Granato. Pessoas que nunca foram vacinadas e/ou que vivem ou irão a locais endêmicos devem se informar nos Postos de Saúde sobre a vacinação.

A SBPC/ML esclarece que o paciente que apresentar algum sintoma em uma região endêmica deve dirigir-se a um posto médico para ser acompanhado até terminar o período de risco de evolução para uma forma mais grave da doença. “Se a pessoa não estiver em zona endêmica e não houver ocorrência de casos em sua região, ela pode ser mantida em casa e, apenas se apresentar pele amarelada ou sangramento gengival e nasal, mesmo que discreto, deve buscar atendimento médico”, esclarece Granato.

Tratamento


Tanto a febre amarela, como dengue, Zika ou Chikungunya são doenças que não possuem tratamentos específicos. “O tratamento é de sustentação (hidratação com soro, oxigenoterapia e repouso), para dar tempo de o próprio organismo preparar uma resposta do sistema imune e combater o vírus”, conclui Granato.

Sobre a SBPC/ML

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) é uma Sociedade de Especialidade Médica, fundada em 1944 e que atua na área de laboratórios clínicos. Com sede na cidade do Rio de Janeiro, tem como finalidade reunir médicos com Título de Especialista em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial e de outras especialidades como farmacêutico-bioquímicos, biomédicos, biólogos e outros profissionais de laboratórios clínicos, além de empresas do setor.

A SBPC/ML disponibiliza o PALC – Programa Acreditação de Laboratórios Clínicos que avalia um laboratório através de auditorias e determina se ele atende a requisitos predeterminados para exercer as tarefas a que se propõe. Dentre vários objetivos esse processo pretende garantir a qualidade dos serviços prestados e a confiabilidade dos resultados.

A SBPC/ML dispõe de projetos de habilitação e qualificação profissional de acordo com a legislação em vigor, através de atividades voltadas para ensino, pesquisa e divulgação científica em Medicina Laboratorial, tendo como meta principal a saúde da população. Para alcançar esses objetivos a SBPC/ML realiza cursos, jornadas, congressos, eventos relacionados e publicações científicas.

Fonte: Advice Comunicação Corporativa.