Inovação: produto Brasileiro promete reduzir desconforto de pacientes após exames

 O Sistema de Insuflação de CO2 (SICO2) foi desenvolvido pela Biocam para amenizar dores após endoscopia investigativa e cirúrgica

A Biocam, empresa de tecnologia para o segmento hospitalar, com mais de 15 anos no mercado médico hospitalar apresentou na 15ª Semana Brasileira do Aparelho Digestivo, o SICO2, produto inovador que visa reduzir o desconforto causado pela insuflação de gás nos pacientes para realização de gastroendoscopia e colonoscopia.

O SICO2, Sistema de Insuflação de gás CO₂ para exames de endoscopia, foi desenvolvido para substituir sistemas convencionais de insuflação de ar em exames gastrointestinais. O método padrão dos exames capta ar ambiente para insuflar no paciente, o que causa um longo desconforto após o procedimento para que os gases sejam eliminados.

“A proposta do SICO2 é insuflar nos exames de endoscopia apenas gás CO₂, que é naturalmente absorvido e exalado pelo organismo humano. Por ser de rápida e fisiológica a eliminação, reduz para cerca de duas horas o desconforto que poderia durar 12 a 24 horas com o método convencional”, afirma o Dr. José Olympio Meirelles dos Santos, Gastroenterologista da Unicamp.

Fabricado sob conceitos internacionais de qualidade e tecnologia, o SICO2 é um sistema nacional prático e simples, com custo mais acessível de compra e manutenção, instalação simples e segurança tanto para o profissional como para o paciente. 

“Nossa prioridade é oferecer a máxima qualidade assistencial ao paciente. Os mais de vinte anos de experiência no setor aliados ao contato direto com os Profissionais da saúde, médicos e enfermeiros nos permite conhecer as necessidades dos pacientes. Por isso, apresentamos soluções às necessidades de maior demanda”, explica o Eng. Rogerio Ulbrich, Diretor da Biocam, que espera grandes resultados com o Congresso.

“É importante que o paciente tenha conhecimento desse sistema e solicite insuflação de CO₂ a seu médico na ocasião de um procedimento. Dessa forma, além do processo ser mais seguro, sua recuperação após o exame se tornará menos incômoda”, completa Rogério.