Edição 239 - SHORT COMMUNICATION - Água pura para o laboratório clínico moderno

Veolia Water Technologies

A pureza da água sempre foi importante em diagnósticos clínicos, mas os desenvolvimentos contínuos na abordagem dos testes clínicos, na sofisticação e variedade de testes disponíveis tornaram a pureza da água ainda mais crítica.

Os principais requisitos de água para analisadores clínicos são:

› Fornecimento altamente confiável e ininterrupto;
› Alta pureza consistente;
› Baixos custos de funcionamento;
› Fácil operação e mínima intervenção do usuário.

Tradicionalmente, os sistemas de água de alimentação dos analisadores eram destinados a análises baseadas em química que usavam principalmente tecnologias colorimétricas e de eletrodos íon seletivos. A tendência geral para tecnologias menos invasivas levou a menores amostras de sangue e seu uso para uma gama mais ampla de testes. Amostras de 500 ml devem fornecer material para os testes iniciais e algumas reservas para novos testes ou estudos posteriores. Isso se tornou viável com melhorias nas técnicas de pipetagem que permitem alta precisão em volumes de apenas alguns microlitros. A diluição da amostra com água pura antes do ensaio impõe exigências extremamente elevadas à pureza da água, uma vez que os efeitos de qualquer contaminação são imediatamente multiplicados pelo fator de diluição. Amostras limitadas também podem restringir o escopo de fazer o teste novamente, adicionando pressões clínicas extras às pressões financeiras de assegurar que resultados confiáveis sejam obtidos já na primeira vez. Cada vez mais, os sistemas automatizados de imunoensaio têm sido introduzidos na rotina nos laboratórios clínicos. Eles tendem a usar cubetas epontas de pipetas de amostragem descartáveis, mas ainda precisam de água pura para lavagem, pipetagem e diluição de reagentes a granel. Geralmente, é necessária uma qualidade superior de água para o imunoensaio, devido ao uso de tecnologias altamente sensíveis, como a quimiluminescência, direta ou indireta, ou a fluorescência enzimática. Muitos testes dependem de processos em múltiplos estágios usando enzimas como a fosfatase alcalina. Qualquer diminuição na pureza da água pode afetar seriamente a qualidade e confiabilidade desses testes. Atualmente, a automação nos laboratórios de análises clínicas progrediu para agrupar todos os testes de alto volume em plataformas comuns, independentemente da tecnologia de medição.


Contato:

Veolia Water Technologies | Tel.: (11) 3888.8800
watertech.marcom.latam@veolia.com | www.veolia.com

(Veja esse artigo completo na íntegra na revista LAES&HAES)