Edição 206 - Estudo da Interferência In Vitro do Ácido Ascórbico nos Parâmetros de Avaliação da Função Renal em Pacientes Normais e Renais

Velloso, G. de B.

Mascarenhas, M. Á.

 

Resumo

A interferência medicamentosa pode acarretar discrepância em diagnósticos clínicos laboratoriais. Por isso, é necessário o conhecimento do uso de medicamentos, pois estes ocupam um importante papel na rotina laboratorial. O ácido ascórbico é facilmente absorvido, atingindo níveis séricos elevados. Sendo um forte agente redutor, pode, em alguma etapa química, interagir com os constituintes dos reagentes analíticos utilizados na determinação dos parâmetros bioquímicos. O objetivo do estudo foi avaliar o grau de interferência do ácido ascórbico nos parâmetros renais analisados. Esses parâmetros renais (creatinina e ureia) provêm de amostras de pacientes normais e os com insuficiência renal. Foi feito um estudo experimental in vitro no qual foram analisados 60 amostras, 30 de pessoas sadias e 30 com insuficiência renal. A estas amostras foram adicionadas concentrações de 0,5% e 1% de ácido ascórbico, sendo todas dosadas nos parâmetros renais (creatinina e ureia). Subsequentemente, foi avaliado o grau de interferência do ácido ascórbico. Dos resultados obtidos, pode-se notar que, tanto nas amostras de pacientes normais quanto em pacientes com insuficiência renal, houve aumento nos níveis de ureia e creatinina quando adicionado o ácido ascórbico. Contudo, as amostras em que foram dosados creatinina a 0,5% apresentaram uma queda significativa da leitura das concentrações iniciais. Da mesma forma, pode-se notar que as amostras de pacientes com insuficiências renais tiveram um aumento significativo no percentual de concentração em comparação com as medições das amostras dos pacientes saudáveis. Portanto, existe uma tendência que valores aumentados de creatinina e ureia estejam relacionados com a interferência cromogênica das técnicas, como é o caso do ácido ascórbico, e desta forma, pode influenciar nos resultados laboratoriais dos pacientes renais e normais causando níveis falsamente elevados.

Palavras-Chave: Interferência, Ácido Ascórbico, Creatinina, Ureia.

 

Summary

Drug interference can cause discrepancy in clinical laboratory diagnostics. For that matter, subjects’ use of other drugs represents an important fact to be aware in laboratorial routine. The ascorbic acid is easily absorbed by the human system, reaching elevated blood serum levels. Being it a strong reducing agent, it may, at some chemical stage, interact with some of the analytical reagents constituents used for the determination of biochemical parameters. The objective of this study was to evaluate the degree of interference of ascorbic acid in renal parameters analyzed. These parameters (creatinine and urea) are taken from patient samples that present normal standards and from patient samples with renal failure. An in vitro experimental study was made having 60 samples analyzed, 30 healthy subjects and 30 subjects with renal failure. Concentrations of 0.5% and 1% of ascorbic acid were added to the samples, being all of them dosed using the renal parameters (creatinine and urea) as a framework. Subsequently, the level of acid ascorbic interference was measured. From the results found it was possible to identify that, not only from the samples of normal patients but also from the ones with renal failure, an increase in the levels of urea and creatinine has been found when the ascorbic acid was added. However, the samples of which creatinine has been dosed in 0.5% presented a significant decrease in its numbers when compared with the initial concentrations. Thus it was also possible to observe that the samples from patients with renal failure had a significant increase in the percentage of concentration when compared to the healthy patient samples.

Key Words: Interference, Ascorbic Acid, Creatinine and Urea.

 

Endereço para correspondência

Dr. Marcello Mascarenhas

Centro Universitário Metodista IPA | Centro de Pesquisa

Laboratório de Toxicologia, Mutagênese e Biologia Molecular - Prédio H

Rua Coronel Joaquim Pedro Salgado, 80 - Rio Branco

90420-060 | Porto Alegre/RS

e-mail: mmasca2010@hotmail.com

 

 (Veja esse artigo na íntegra na revista LAES&HAES)